Fernando Correia

Computação em nuvem irá gerar 400 mil empregos no Brasil

In Novidades on 8 mar 2012 at 09:02

20120308-CloudJobs_Brazil

A computação em nuvem pode ser percebida como ameaça por alguns profissionais. De certa forma é uma terceirização; em vez da empresa utilizar seu próprio pessoal para administrar seus servidores, atualizar sistemas operacionais, configurar redes, instalar serviços de middleware, cuidar de replicação e atuar para manter a disponibilidade em caso de falha em um destes componentes, um prestador de serviços assume estas responsabilidades.

As vantagens para o negócio são conhecidas: dispensa investimentos iniciais, dá flexibilidade para adaptar-se a variações da demanda, utiliza os serviços compartilhados de uma grande equipe dedicada a manter a disponibildade e segurança dos serviços. Mas isto não irá gerar desemprego? Se uma startup deixar de contratar um administrador de servidores, isso não vai reduzir a demanda por estes profissionais?

Um estudo elaborado pela IDC a pedido da Microsoft indica o contrário: a computação em nuvem irá gerar 14 milhões de novos empregos no mundo até 2015 e produzir uma receita que pode passar de 1 trilhão de dólares por ano.

Voltando ao exemplo da startup, talvez ela deixe de contratar um administrador de servidores, mas irá contratar muitos programadores, designers, pessoal de atendimento a clientes, ao mesmo tempo em que contribui para gerar emprego para os especialistas em infra-estrutura trabalhando nos provedores de serviços de nuvem.

Nas grandes empresas, a computação em nuvem irá gerar ganhos de eficiência e novas oportunidades de geração de receitas que resultarão em investimentos significativos, gerando crescimento do emprego em diversas atividades, inclusive em funções do core business das empresas, não apenas na TI. O próprio pessoal de TI poderá se dedicar mais à geração de diferenciais de negócio para as suas empresas, e menos a manter a infra-estrutura provisionada e disponível.

No Brasil, o estudo da IDC aponta a geração de mais de 400 mil empregos possibilitados pela computação em nuvem até 2015.

Eu considero que a computação em nuvem será um grande catalisador e habilitador de mudanças não só na tecnologia da informação, mas na própria sociedade e economia. Esta tecnologia irá diminuir custos, gerar inovações e criar novos empregos e funções no mundo inteiro.

É por isso que tenho estudado este tema desde 2008 e tenho trabalhado para encontrar os modelos de arquitetura mais eficientes para esta nova modalidade de computação. E você, também já está se preparando para este crescimento?

Continue a conversa nos comentários ou pelo Twitter.

  1. […] pagando menos, obtêm ganhos de eficiência. Este processo, segundo a IDC, levará à criação de 14 milhões de empregos nos próximos anos e à geração de 1 trilhão de dólares por ano na […]

Os comentários estão desativados.